domingo, 8 de maio de 2016

Burnout

                                                  


A tontura por incapacidade de concentração. A cabeça gira em mil pensamentos e nada parece ser um caminho, uma solução, mas uma pilha de preocupações e todas as frustrações na ordem do dia. Nada satisfaz. Nada parece ser concreto, certo, conquistado.

A noite toda olhando no relógio e atrasada, preocupada, cansada, acorda mais uma vez e checa quanto falta para a fatídica hora de levantar, de correr. Vira mais uma vez e dói. Os pés, as costas, as pernas e a cabeça. Ah, a cabeça dói o tempo todo. Já nem toma mais remédio, já nem acha que vai resolver. Vira e o encontra, abraça seu corpo, segura sua mão e dorme de novo. São 5 horas, enfim a hora pela qual ansiou a noite toda.

Os pés encontram o chão mas não completamente e já reclamam. Doem. O banheiro frio, a casa escura e o banho que poderia relaxar é só uma preparação para o dia todo, maluco, cansado, estressante. Esquece de pegar a toalha e sai molhada andando pela casa a procura de calor, de aconchego. Nada parece vestir bem e faz a pior escolha de roupa, uma que a fará se sentir no corpo errado ao longo de toda a jornada.

Não tem café e nem dá tempo de fazer. Não tem pão. Tem um bolo de laranja, doce doce. Enjoa. Acha o leite e acende o cigarro. Também lembra dos seus alunos, da caixa de chocolate toda assinada que ganhou e sorri. Que queridos, que preocupação comigo, que carinho. As lágrimas já estão cedo nos seus olhos, mas não há mais tempo. Seca o cabelo, passa perfume, pega a chave, despede-se dos gatinhos e vai.

As leituras de ônibus tiram a sua cabeça desse mundo, a divertem e ela segue viagem, segue com o trânsito, segue com a vida. Aos poucos, o mundo todo parece ir acordando. Distrai-se com as janelas das casas que se acendem e imagina como se preparam para mais um dia, como vivem a vida, como organizam seus mundos.

Uma mulher puxa conversa. Esqueceu o café da manhã em casa e teme que seu cachorro o coma. Seus filhos o acostumaram a comer um monte de porcaria e ela tensa vasculha a bolsa mas nada. Só as maçãs e a fome. Até mais. Bom dia.

A dureza estampada no rosto de uma gente toda, a dor pesando por tantos corpos sem posse e eu me sentindo um pouco menos fora, um pouco mais próxima da beira, um tantinho  mais amparada mesmo que por compartilhar as mesmas ânsias, impotências e determinações.

2 comentários:

Fernando disse...

Excelente, como sempre, querida!

Isabela Velloso disse...

Seus textos continuam tendo essa imensa capacidade de me impressionar e emocionar. Tenho que admitir que não consegui segurar uma lágrima tímida. Eu amo seu jeito de escrever e fiquei muito feliz em ver uma nova postagem depois de um tempo de abstinência S2