terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Roubei o vermelho e o negro de Stendhal e perdi o sorriso na fuga.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A tristeza é dura. Te bota no canto da sala...sozinha.


Kees van Dongen foi um pintor holandês fauvista - não seguidor impressionista.

Midnight in Paris e a necessidade de digressão

Uma boa crítica ao filme do Woody Allen aqui, de Matheus Pichonelli.

'Não sei se vocês perceberam, mas a humanidade dá cada vez mais sinais de cansaço e preguiça. Não bastassem as tragédias que temos de engolir todos os dias sobre acidentes evitáveis, guerras desnecessárias, bombardeios intencionais e cinismos publicados em Diários Oficiais, ainda temos de conviver, a poucos metros, com as ninharias mais fúteis que o ser humano pode produzir.'

Preparação para o Oscar - últimos passos

Faz muitos meses que assisti ao Midnight in Paris, mas, apesar de não lembrar de muitos detalhes que me impressionaram na ocasião, recordo bem do quanto o filme é divertido, crítico e sensível aos fãs de literatura. Paris fervia de gente produzindo na década de 1920. Hemingway estava lá a escrever Paris é uma festa e pedia ajuda sempre a Gertrude Stein, que não aconselhava somente a ele, mas a todos os conhecidos como geração perdida. Scott Fitzgerald e sua mulher Zelda também passeavam pelas ruas da cidade. Até Cole Porter, que vivia or lá a escrever suas canções como I Love Paris e muitas outras, toca nas festas que o americano do século XXI é convidado a participar todas as noites, à meia noite. Sonhos, frustração e alguém para dividir caminhadas na chuva que pacificam um coração cheio de desilusões. Gostei do filme por tudo, mas principalmente pela sutileza e pelo encantamento frente à arte.



Não foi o que senti e pensei quando assisti ao A Árvore da Vida. Achei um grande ppt com trilha sonora duvidosa. Sabe aqueles que você recebe por e-mail, com mensagens meio toscas, imagens lindas e uma música de doer a alma de ruim? Pois é. Achei completamente sem propósito a fase adulta do irmão carente e ressentido vivido pelo Sean Penn. E mais sem propósito ainda o encontro na praia, pés descalços, crianças felizes. Sem foco, sem história e sem poesia, ponto que foi clamado por uma gente. Não sei. Achei fraco e mal amarrado.



Não foi o mesmo sentimento quando vi em The Separation. Filme iraniano que nos faz pensar na produção cultural daquele país e no seu contexto político, social, religioso. É tudo tão contrastante e bonito. Não há música, mas tensão, angústia, incerteza. SonhosXMedo ou será SonhosXCompaixão? Boa maneira de pensar não só em mundos além-mar, mas em como lidamos com escolhas por esses lados também.



Extremely Loud and Incredibly Close, traduzido para Tão forte, tão perto, é a história de um garoto de 9 anos que perde o pai no 11 de setembro. Baseado no livro com mesmo nome, o filme apresenta o estrago e como e se é possível viver após uma tragédia desse tamanho. Oskar e seu pai inventavam jogos de investigação juntos e, no meio de uma das expedições, uma reunião de negócios no WTC acaba por levar seu pai para sempre. Alguns não gostaram do menino antipático, prepotente. Quem leu o livro sabe como Oskar lida com as situações, como ele é cheio de regras e como ele sofre em silêncio quando descobre uma chave no armário de seu pai e decide encontrar a fechadura para alongar seus momentos com ele. Nesse caminho, ele conhece um monte de gente, suas histórias, tem a chance de contar a sua, se investigar e encontrar sua mãe do outro lado, tentando mostrar a ele que ela também consegue investigar, criar mistérios e desvendá-los. Triste e sensível.



E Hugo. Ah! Sem dúvida meu preferido. Como já mencionado no post anterior, Hugo também fala sobre a história do cinema, como é importante preservá-la, sobre magia, criação de histórias, tecnologia e tudo mais. Fala sobre invenção, consertos e concertos do mundo. Tudo se passa dentro de uma estação de trem em Paris e Hugo é um menino que perdeu o pai e vive a tentar arrumar um autômato que ele encontrou no museu em que trabalhava. Roteiro bem amarradinho, emociona do começo ao fim por toda a delicadeza de se falar sobre arte, pessoas, amor, carinho, afeto e reconhecimento. A importância da história do cinema dentro do cinema. Eu torço por esse, sem dúvida.



Vi somente o começo do War Horse, do Spielberg e parei porque não estava mais suportando tanto clichê, tudo tão previsível. Aquelas tomadas abertas e a trilha sonora grandiosa. Não tive paciência para continuar a assistir. Deve ser bom para criança. Mas eu achei um pé no saco. Fora esse, ainda faltam The Descendents e The Help. O segundo eu vejo ainda hoje. O George Clooney talvez eu procure numa sala de cinema. Alguém?

Muito sucintamente, são minhas parcas impressões sobre cada filme que vi, ainda mais por falar sobre 3 (ou 5, no caso deste post) de uma vez só, não pensei que perderia a oportunidade de descrever mais, falar mais. Talvez seja isso mesmo que eu desejava quando comecei. Assim, você assiste livre do que eu poderia antecipar (demais) e depois a gente pensa mais juntos sobre todos esses filmes. Há muito a se falar de alguns deles e é preciso mais tempo e mais palavras para discuti-los. Bom(s) filme(s)!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Oscar no Carnaval

Estava calor. Sim. E muito. 'Pular' o carnaval no interior, cidade natal e casa de Paulo, no sertão de São Paulo. SoroHell! Soroheaven! A casa de campo que todo mundo sonha. Aquela que tem um sofá ou cama perto da janela, de onde, deitados, vocês podem ver o céu. Final de tarde razoavelmente quente, mas com vento e talvez uma chuva rápida para refrescar a sessão de cinema que vocês prepararam em casa, na cama, ou que vão enfrentar no novo minishopping pertinho de lá. Aquele em frente à praça, perto do coreto, do lado do restaurante árabe que realmente traz delícias do oriente. Casa de campo cheia de frutas, com samba na outra sala, carinho e as melhores conversas e o por do sol alaranjado visto lá do alto.

E estivemos também em tardes na piscina e compartilhamos a experiência do convescote interiorano, o afamado churrasco. Pão de queijo tarde da noite, sorvetes e tudo devidamente controlado pela eterna vigilância do meu peso.

Fora o amor e o calor, o feriado se concentrou no Oscar. Novamente tomada pela magia do cinema e pela obsessão de assistir a todos os indicados pelo menos para melhor filme até domingo, controlei cada passo cinematográfico para que pudéssemos avançar na enorme (não parece, mas é) lista de 9 concorrentes.

Começamos com The Artist, The Iron Lady e parte do Moneyball. O primeiro me atraiu pela simplicidade, pela nostalgia, pelo trabalho bem-feito de atores que devem se expressar sem palavras. O filme mudo trabalha excessos para compensar a falta dos diálogos. E nunca se sentiu falta deles nessas obras. O Artista tenta mostrar a importância que esses filmes tiveram para a história da sétima arte. Com 10 indicações ao Oscar, parece que a academia esperava que o foco se distanciasse um pouco dos efeitos especiais/tecnologia e se aproximasse mais da história. Ou como disse Scorcese, diretor de outro filme que discorre sobre o mesmo tema e que também concorre nessa categoria, o cinema antes tinha um significado para a sociedade.



The Iron Lady me incomodou um pouco. A Meryl Streep está ótima, como sempre. Espara-se que ela ganhe o pequeno homem dourado. Tem a Glenn maravilhosa no papel da mulher que se trasveste de homem e chega na meia idade sem saber mais ao certo quem é. Também incrível, dizem. Mas a Margaret tá coisa de louco. O problema é que eu fiquei com a impressão que o filme diz 'não fosse o marido rico, uma das mulheres mais importantes do século passado, por mais que a gente a deteste, não chegaria onde chegou.' Sabe? Então. Idosa e com problemas para deixar o marido morto partir rumo à luz, ela recorda seus feitos durante a década que governou a Inglaterra. Talvez seja coisa da minha cabeça, mas é bom prestar atenção. As inserções do marido querido, por mais românticas em alguns casos, pareceram-me pouco inocentes. Claro que, quando a dama entrou para a política, ainda mais sendo filha de comerciante, não tivesse casado com o moço rico e bem formado academicamente, teria mais dificuldade para entrar nesse mundo fechado. Mas...não sei se gostei do foco.



Moneyball é um filme basicamente sobre baseball. Brad Pitt, indicado a melhor ator, vive Billy Beane, gerente de um time sem muito dinheiro que mudou a forma de ver o esporte a partir de técnicas de probabilidade e ranking. É melhor você assistir para entender. Mas o lance é o seguinte. O baseball é do mais injustos esportes americanos. Não há teto salarial e quem pagar mais leva o melhor jogador. Você vai dizer que o mundo é assim, mas o Football e mesmo o Basketball não vivem dessa maneira. Há um sistema que garante que todos os times tenham a mesma chance de contratar astros e rechear seu grupo com os melhores. No basebaal, essas regras não existem. Com um time pobrinho perdendo astros, Billy encontra um economista que o ajuda a criar uma outra maneira de procurar 'estrelas'. E o filme é sobre essa incrível descoberta. Bonito. Interessante. Se você tiver interesse sobre baseball ou se quiser ver o Brad Pitt bonitão e mau humorado. Eu tive por meio filme. Quem sabe ainda dou mais uma chance à outra metade.



Ainda fiquei com The Separation, Hugo e Extremely Loud and Incredibly Close, temas do próximo post. E Midnight in Paris já tinha sido muito bem aproveitado numa sala de cinema, assim como The Tree of Life, não tão bem aproveitado. Ou melhor dizendo, horas não tão bem aproveitadas.

Continuo em texto separado para não cansar seus olhos, caro leitor. Ainda mais com o fim do carnaval, o início oficial do ano, das aulas, do trabalho, dos estudos e das resoluções de ano novo (lembre-se que são somente duas).

Voltar de Sorocaba na quarta de cinzas, deixar a casa de campo, o coisinho e o cinema improvisado no quarto já tem gosto de saudade. Mas também é uma ótima maneira de começar um ano olhando para o céu, procurando mais desse por do sol alaranjado e esperar a chuva para refrescar.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Delicious Idea

Carnaval na Casa Verde

Vem menina linda
Vem pro samba, vem sambar (BIS)
Me faz um chamego que o céu pode esperar

Domingo chuvoso em São Paulo e a promessa de um churrasco de aniversário meio molhado. Ao virar a esquina da Bras Leme para adentrar a rua na qual passaríamos a tarde (e um bom pedaço da noite), um bloco com um generoso grupo de foliões (palavra que eu abomino, mas sempre quis usar. Chegou o momento.) descia a rua, pelo meio da rua, e convidava o povo que assistia, postado às suas margens, a pular para dentro e sair atrás do carro de som, com a pequena bateria a se chacoalhar até não nos foi informado onde.


Surge em Maio de setenta e cinco
A saga de um samba pé no chão
Nasce lá no morro e desce a serra
Hoje fonte de inspiração
Toda Zona Norte faz folia
E vem desfilar no carnaval
Meu querido bloco faz a festa (BIS)
Em tom dobrado vou cantar em alto astral


A chuva um pouco mais calma, um celular tirador de fotos a postos e corpinho começando a se balançar com a agitação, não tivemos outra opção senão entrar debaixo do sovaco da cobra e começar o Carnaval uma semana antes de maneira bastante paulistana.



Engraçado como esse impulso carnavalesco nunca apareceu enquanto morava em Salvador (aliás, cheguei na cidade na semana do carnaval) e nem mesmo pela terra da garoa até que, alguns carnavais atrás, fui introduzia à arte de sarapendiar pelas ruas da saudosa e afamada São Luís do Paraitinga, que sofreu com chuvas anos passados, se recupera bem e já recebeu alta para curtir a festa com um número controlado e reduzido de visitantes.

Foi lá que eu vi, pela primeira vez na história desse país, um carnaval interessante e realmente divertido, longe do axé e de todas essas porcarias que nos obrigam a ouvir nessa semana que normalmente cai em fevereiro. Foi lá que eu entendi o quanto era gostoso o verão, o pula-pula e a bebedeira que acabavam em uma semana de cama e muitas risadas.

Mas, depois que a cidade sofreu esse acidente grave, curti esse feriado de formas variadas - praia, interior e não me lembro bem mais o quê. Por esses anos todos, nenhuma marchinha tinha me levado a me balançar, a não ser em lembranças. Em nenhum momento tive vontade de sair atrás do trio elétrico. Domingo me deu vontade de pegar uma garrafinha de pinga com mel, botar os óculos escuros e pular até o próximo bloco aprendendo a música de cada um deles.

Veja só:


E Paulo sem se aguentar, foi indo embora com o bloco:


Esse ano, os planos se concentram no Oscar. Mas esse assunto é tema de outro post, menos pulativo. Mas, quem sabe, aparece alguma coisa similar novamente e a gente se joga pelas ruas a dançar!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Toma lá procêis

Dois homens laçavam um banquinho de bar no meio da rua, no meio da cidade.

Saída estratégica de uma festa de família para comprar cigarros e um encontro inusitado nas ruas interioranas.

- O segredo é manter o braço esticado, - sugeria Juscelino.
- Falta os chifre. Não é para laçar o boi inteiro, só os chifre. Pega lá uns dois prego para nóis colocar no banco e poder praticar. Só os chifre. Pega lá, Cardoso. E mais uma.
- Me ensina a laçar?

Em poucos minutos, ele fora levado para o meio da rua, laço em mãos e vontade de conhecer gente e encantamento brilhando pelos seus olhos atentos.

Os poucos homens que não se embrenhavam na aventura de ensinar o menino a quem chamavam Barba a arte do mundo boiadeiro ciceroneavam a moça que observava com sorrisos por todo o corpo.

- Cavalo acaba com casamento. - Ela sorria em meio a tantas histórias. - Aquela moça de blusa vermelha expulsou o marido de casa. Caminhoneiro, ia com a gente para os rodeios e competições. Tinha um cavalo também. Vendeu tudo para não perder a mulher.

- Minha mulher tem alergia a cavalo. Dá para acreditar?
- Mundo irônico, né, João?
- Quê? É maldade mesmo com a gente. Eu chego em casa agora, assim, tiro toda a roupa na lavanderia...a gente tem uma casona bonita...e subo só de cueca. Vai que eu mato ela, né? - e gargalhava enquanto enchia mais os copos de cerveja.

Enquanto se aliviava no banheiro de todo o calor que consumia todo o esforço que despendeu para arrumar o cabelo de manhã, eles aprontavam uma surpresa lá fora. Na calçada, dois pedaços de pele de carneiro. Como se fossem as visitas mais importantes ou esperadas dos últimos tempos, além das promessas de jantares na pequena garagem que abrigava o bar, ofereciam o presente que os faria perceber que dar atenção às pessoas parece coisa de outro mundo.

Abraços que talvez poucos dos próximos amigos têm a oferecer, os estranhos novos companheiros agradavam e cuidavam do casal que passou e parou para ver quem eles eram. Coisa comum. Coisa natural. Ou nem tanto assim. Ver o outro é se reconhecer, dar chance de se conhecer. E perdemos centenas de oportunidades como essa todos os dias.

Medo ou falta de curiosidade?

sábado, 11 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Mi Buenos Aires Querido


E já faz mais de um mês que voltamos (quando comecei a escrever esse post ainda não tinha completado 30 dias do retorno) e eu fico anotando mais e mais coisas no caderninho lindo que ganhei do Paulo no show do Kevin Johansen com 'fundo' de Liniers. Esse aí em cima que você pode ver com o desenho do Macanudo, um dos seus personagens mais conhecidos (e queridos).

Depois de um fim de ano turbulento, com direito a cambas de dinheiro e muito mais, cheguei na semana do Natal com fome de distância não só dos problemas mas da cidade, fisicamente. Atravessar fronteiras sempre nos pareceu uma boa ideia e, com passagem já comprada, resolvemos não desistir por motivos tão supérfluos (como se dinheiro pudesse ser considerado item de menor importância) e partimos para o desconhecido.

Eu devia ter escrito aqui durante a viagem, seria muito legal e tudo. Mas aí pensei naquela história da internet tirar nosso gostinho de contar o que visitamos, o que vimos e o que achamos, antecipando sensações e opiniões antes mesmo de nosso retorno. Usei o caderninho lindinho e, a cada cerveja, garrafa de vinho ou parada, anotava mais algumas coisas, ou checava alguma coisa no dicionário español-português.

Aliás, isso nunca foi comentado pelos meus amigos, os que não têm o espanhol muito fluente (ou nada fluente). Engraçado ninguém nunca ter mencionado o fato dos porteños falarem super rápido ou usarem expressões engraçadíssimas ou mesmo apresentarem um jeitão italiano meio contrariado de dizer que algo é bom e ruim ao mesmo tempo. Blasé.

Durante todo o tempo fiquei imaginando com devia ter sido uma aventura linguística para eles, assim como estava sendo para mim,que nunca quis aprender nada em espanhol e voltei com alguns livros para me forçar e um balde de músicas para encantar. É absolutamente um horror não conseguir se comunicar, conhecer pessoas ou fazer coisas básicas. Se Paulo não estivesse comigo usando toda sua ginga hermana, não sei como teria me virado. Acabava apelando para o inglês. E foi assim que conheci uma suíça e gastei todo o vocabulário que não conseguia usar pelo resto do passeio.

Falando ainda sobre reportar uma viagem, muita coisa não foi dita e quase nada foi destrinchado. Só chegando lá é que descobríamos coisas simples que nenhum amigo ou blog mencionou. Sobre elas, vou comentando ao longo de cada texto sobre cada parte da viagem. Assim, quando você for (se já não tiver ido, como todo mundo) fica com mais dicas e facilidades do que nós. Mesmo assim, achará ainda muito mais detalhes que esquecemos, ainda mais com esse delay de mais de um mês em contar como foi.

Antes de começar uma série sobre Buenos Aires, preciso dizer que as pessoas foram extremamente atenciosas, menos um senhorzinho que perguntou se a gente não sabia ler. A comida sempre incrível, os cafés charmosos, mas os banheiros mostravam a decadência de uma capital que passa por uma crise há tempos.

A viagem começa aqui e vou tentar lembrar das pequenas coisas deliciosas que foram fazendo uma das semanas mais relaxantes, divertidas e apaixonantes dos últimos tempos.

Professora - Inglês e Português



Queridos,

como muitos acompanharam nos últimos meses, tenho me preparado para, enfim, dedicar-me 100% ao que adoro fazer: trabalhar com português e inglês em aulas, estudos, análises e o que mais aparecer em traduções, revisões.

Professora recém-contratada pelo Yázigi e com alguns alunos particulares, estou disponível para aulas de inglês (todos os níveis) e português (inclusive para concursos).

O começo do ano é uma ótima época para fazer planos e se dedicar aos estudos que trarão melhores condições para seu crescimento profissional, independência em viagens ou simplesmente oferecer a possibilidade de abrir um livro interessante e ler na língua em que ele foi escrito.

Material do curso de inglês produzido por mim, sem custo extra para o aluno. Pesquisa e referência bibliográfica: Oxford Practice Grammar, Grammar in Use (Cambridge University), além de exercícios para leitura, conversação e audição produzidos com base em pesquisas na internet e na minha experiência como professora em outras escolas, aulas in company e particulares. Curso especial para realizar os exames de certificados como o TOEFL, IELTS, CAE e outros. Foco em realização de exercícios e desenvolvimento das habilidades exigidas.

Curso de português elaborado com base nas questões típicas das provas e focado na compreensão lógica da língua. Material utilizado: nova Gramática do Português Contemporâneo (Celso Cunha; Luis F. Lindley Cintra), Comunicação em Prosa Moderna (Othon M. Garcia), Manual de redação de Órgãos Públicos, Sintaxe: explorando a estrutura da sentença ( E. V Negrão, A. Scher e E. Viotii).

Espalhem a notícia para os amigos e let's get it started!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Fevereiro

Sofro em silêncio com a esperança de que isso chegue ao fim.

Como estrelas na terra



Despretensiosamente, assisti ao filme que deu título ao post - Como estrelas na terra, do qual não encontrei nenhum trailer que fosse fiel e digno. Não é um lançamento, mas não tinha ouvido falar dele quando foi lançado em 2007 e nem quando participou do Festival de Filme do Rio em 2009.

Não sabia que era sobre educação, sobre lecionar, sobre saber que cada criança é diferente da outra, cada uma tem um ritmo e que os talentos devem ser incentivados para serem trabalhados, valorizados.

A produção é bem Bollywoodiana, cheia de cenas musicais, algumas tomadas bem cafonas e, até metade do filme, não se sabe se é algo como Quem quer ser um milionário? ou se vai enveredar pelo caminho dos Caçadores de Pipas. Daí o filme te surpreende, mesmo com tudo isso, e mostra uma trama sensacional, dessas emocionantes, das que fazem chorar com histórias sobre pessoas de verdade.

Eu já tive alguns alunos com dislexia. Duas delas, recentes, já tratadas, vacinadas e sem possibilidade de contágio por toque, mas uma outra, mais antiga - talvez uns 5 anos atrás - sofria algo bem próximo ao que Ishaan, o menino sorridente aí de cima sofre no filme. Dificuldade de ler e escrever por não reconhecer os desenhos das letras, os códigos, e relacioná-los com o alfabeto fonético.

Por alguns meses, tempo que nossos encontros duraram, eu me contorcia em pesquisas e exercícios elaborados pela minha cabeça para ajudá-la a não comer mais letras e palavras curtas. O bacana do filme não é só mostrar que isso não é problema de falta de inteligência, visto que o professor de artes (sempre eles, né? a sensibilidade ajuda a perceber que sintomas provêm de um problema. e é isso que deve ser questionado pelo professor, não?) cita inúmeros gênios que lutaram contra ela, mas você também aprende alguns exercícios práticos para lidar com a dislexia de diversas maneiras.



Além de ser um ótimo filme para inspirar quem está começando (e mesmo para quem já tem muita experiência, já que é sempre bom ver nossa profissão pelos olhos dos outros e perceber como ela pode ser inspiradora), é uma ótima oportunidade de refletir sobre a educação, no seu formato e como tudo já é tão ultrapassado, arcaico e focado num utilitarismo que nem é mais o do século vigente.

O sistema de ensino, modelo que foi pensado pós-revolução industrial e que refletia e construía profissionais que deveriam lidar com o mundo que estava vendo a luz do novo mundo não respondeu às tantas mudanças nos últimos séculos, inclusive em pesquisas que fazem crer que a estrutura hierárquica e a disposição de salas em uma escola, de alunos numa sala de aula está toda errada, distanciando cada vez mais o aluno do conhecimento. Com isso na cabeça, conheci essa semana o professor Khan.

Khan largou uma carreira corporativa de sucesso no Vale do Silício para dedicar suas economias à construção e alimentação de um site dedicado a ensinar com qualidade e alto nível tudo o que for possível. Eu ainda não olhei direito o www.khanacademy.org e assim que o fizer volto aqui para contar. Enquanto isso, veja você mesmo e aproveite e assista ao filme bonitinho que está disponível até no youtube.