quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Defenestrações

Atiro-me, desgarrada, infame, desprotegida. Atiro-me aos braços do amigo, do inimigo, do sorriso, da lágrima. Atiro-me ao riso, a dor, ao sofrimento.

De olhos fechados, prendendo a respiração, atiro-me para frente. Meus pés desgrudam-se lentamente da superfície gélida. Atiro-me ao infinito, liberto-me do insuportável, desagradável, do desconforto, do desaconchego.

Atiro-me à liberdade, à esperança, ao sonho.

Atiro meus textos em páginas em branco. Minhas idéias desconexas e confusas ao acaso. Minhas histórias pela janela.

Defenestro-me, e assim o faço com minhas elucubrações, minhas paixões, meus desejos.

7 comentários:

Paula Oliveira disse...

Escrever é de fato um talento... para poucos. Parabéns por tê-lo!
=)

Beijomeliga!!

Leandro disse...

Coloquialmente posso dizer - se joga ;). Muito bom dear, vc tornou-se minha "blogger" favorita, rs.
Bjos.

alcides disse...

o desassosego é uma qualidade dos espíritos livres ( se é que eles existem, Nietzsche diz que não, talvez ele esteja errado)
até (saudades)

alcides disse...

aliás uma vez ele (Nietzsche) disse que sim mas mudou de idéia (men, so typical)
até desassossegada!

Nicoliche disse...

Aproveito a ora data aconselhar-te que defenestres tudo o que de mau ainda por teus bolsos e gavetas reste. Joga-te, então, em mais novas aventuras, em tal e outros erros que sejam necessários aos acertos e perceba, também, o que da janela não se joga, mas se contempla e recebe. Feliz novo ciclo, não só de luas, de felicidades, biritas e "jogadas" também!

Cintia disse...

Mari, estou adorando a nova fase do blog.. adeus ao azedume! rsrsr
beijos

Rebeca disse...

vocabulário difícil.. HAHAHAHAH
Adoreiiiiii...
Lembra aquela música "Adeus vc"... lembrei qdo li... não pelo texto... mas por vc... ehhehe
bj